Somos todos crentes?

Venho de uma educação rigidamente católica. Curiosamente de ensino e metodologias nada religiosas, apesar de conservadora. A exceção do Pai Nosso antes da entrada e do crucifixo na diretoria, era um colégio como qualquer outro, mantidas as devidas proporções, obviamente.

Bem diferente do que é hoje em dia visto em escolas de cunho cristão, vide os colégios presbiterianos, adventistas e afins. Onde impera a “lavagem cerebral religiosa” em detrimento do pensamento crítico e científico. Não poderiam manter o dogmático separado do curricular!

Será esse um paradigma decorrente da estagnação social? O que está havendo com o nível da educação? Esse é um reflexo da queda do nível cultural do brasileiro médio? Isso é também derivado do êxodo tremendo que vem sofrendo a fé católica? Eu tenho tantas perguntas… você não?

A estagnação do pensamento crítico e o futuro das religiões

Simplesmente não entendo como mesmo nos nossos dias, ainda existem tantas pessoas com a mente aparentemente em estagnação. E tudo isso por conta dos ditames da sociedade em que vivem, obviamente construídos com bases religiosas.

Isso diz respeito a praticamente todo os campos, desde travar o avanço das ciências até negar direitos civis das  minorias. Em detrimento de aceitar as evidencias, optam por se prender, e sem questionar, aos devaneios de uma simplória mitologia.

Religiões se põe, geralmente, numa posição bem complicada. Se dizem detentoras de uma verdade que é absoluta. Isso, é claro, traz estagnação, na pior das hipóteses representa um entrave sem tamanho a muitos processos de evolução sócio-política.

Se existem religiosos abertos a questionamentos, estão contrariando as vezes sua própria fé, as vezes criando uma religiosa própria. Chamo isso de fé não institucionalizada, a meu ver é o futuro da fé, para não dizer sua sobrevivência.

A pura crença apaziguadora, em deuses ou em uma pós vida, com normas determinadas não por uma instituição, mas pelo puro bom senso e embasadas na tolerância e no bom convívio sócio-político, representa esse tipo de religião do futuro. Uma utopia?