Charge

whatsapp-image-2017-06-20-at-14-37-07.jpeg

Anúncios

A Bíblia e o formato da Terra: Os teóricos da conspiração estão certos!

Se agarrar com unhas e dentes a religião e diversos de seus elementos em detrimento do que apontam as evidências é de uso comum de quaisquer fundamentalistas. Pudera, o método é deveras cômodo, de grande alcance e fácil aceitação pela maior parte da audiência.

Os chamados “Terraplanistas” atuais (nada mais que adeptos de uma teoria da conspiração que apesar de eventualmente estar em voga, é tão antiga quanto a própria ignorância) fazem uso de vários expedientes desse tipo, tais como valer-se de passagens como Isaías 40:22.

Ele é o que está assentado sobre o globo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; ele é o que estende os céus como cortina e os desenrola como tenda para neles habitar.

Cabe aqui ressaltar que a Bíblia, segundo os próprios religiosos, não tem como proposta atuar como um ensaio acadêmico de astronomia. Além do que existem várias traduções para o termo usado nessa passagem: Chuwg, mas todas dão ideia de círculo, duas dimensões.

O termo normalmente lido como “esfera” é Duwr que quer dizer, em hebraico, exatamente isso, “bola”. Por coincidência essa palavra é usada também em Isaías (22:18), sob outro contexto. Em suma, segundo o autor, nosso mundo teria exatamente aquele formato: um plano(!).

641150ab3e1b39562b03df4f1054c423.jpg

 

Devemos amar nossos imigos?

Em Mateus 5:44, tem-se:

Ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.

Uma óbvia menção de Provérbios 19:11:

Sábio é o homem que consegue controlar seu gênio, e sua grandeza está em ser generoso e perdoador com quem o ofende!

Essa parte dito “Novo Mandamento”, convenientemente escanteado,  não tem sequer bases no bom senso. Não seria estranho é nunca ver mesmo cristãos perdoando aqueles que os acometem com pesares ou simplesmente os perdoando?

Fato: Os evangelhos canônicos não se amparam em uma ideia de moralidade própria, quando muito apenas citam termos comuns praticamente advindos dos convívios e acordos sociais humanos, isso quando não são totais perversões.

É comum ouvir dizerem que: “Amar tem a ver com respeito, não com compassividade”. Dando a ideia contorno de “respeitar pessoas, mas não ideias”, quando criticar ideias não implica em desrespeitar, entretanto considerar, exatamente.

Bom, não é o que dizem as escrituras! O termo grego presente nos ‘codex’ mais antigos, como o Sinaiticus, é Ágape, o que podemos entender como o amor divino, essencial, é irrestrito e incondicional, algo inerente e derivado da divindade.

Ágape diverge de Eros, amor sexual, ou Fileo e Storge, amor familiar, algo relacionado a parentesco e casamento. Então o que o texto pede é que amemos nossos inimigos, assim como Deuso faz, perdoando e sujeitando-se a pesar ou sofrimento!

Esse tipo de entrega, detrimento do ser e favor do todo, condição não inerente ao convívio humano, (já que se supõe que ninguém perdoe e aceite tudo o que lhe é perpetrado), é típico de seitas apocalípticas, o que era a cristandade nos primórdios.