Deus ou Satã? – A gradativa inclusão da personagem de um adversário na mitologia judaico-cristã

Para os hebreus não existia originalmente a personagem do antagonista. Deus era único e verdadeiro ser divino atuante no dia-a-dia do povo judeu. Deuses de outras nações até os membros do panteão cananeu de onde derivaria o próprio deus hebraico caiam em desuso. Então de onde veio a famigerada persona de Satanás?

Vejamos para tanto unicamente duas passagens presentes no Antigo Testamento, contundentes para entendermos a curva de interpretação nos textos em dois períodos de tempo notoriamente distintos da história hebraica, para aí sim podermos entender o que poderia ter acontecido para vislumbrarmos isso.

E a ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel; e incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.

II Samuel 24:1

Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel.

I Crônicas 21:1

A passagem de II Samuel data aproximadamente de 930 A.E.C., enquanto o trecho descrito em I Crônicas de meados do ano 430 A.E.C. Há um lapso enorme de tempo entre uma obra e outra. Em uma temos a presença atuante do adversário incitado por deus contra seu povo, em outra meramente a cólera daquela divindade.

A influência de religiões persas, como o zoroastrismo, culto onde a dualidade deus (Aura-Mazda) versus adversário (Arimã) era pré-existente, durante nação babilônica nesse ínterim trouxe a figura do adversário, do opositor ao deus judaico, Shatán, no original em aramaico, que latinizado se tornaria Satanás, ou unicamente Satã.

Anúncios

O Inferno existe?

Indo direto ao ponto e sem muita enrolação, a resposta é sim(!) Explico: Ao longo da Bíblia três palavras são traduzidas para português para fazer referência ao “inferno”: Sheol, Hades, Tártaro e Gehenna.

Sheol e Hades são palavras que se referem a mesma coisa: uma sepultura. A primeira em hebraico a segunda em grego. Então se o texto cita quaisquer dessas o autor está se referindo a túmulos, unicamente!

Tártaro, por sua vez, é o lugar em que os deuses helênicos aprisionaram os titãs depois da guerra contra estes, a Teogonia. Então isso significa que o inferno é algum tipo de quarto alugado do cárcere dos olimpianos?

Hell.jpg

E finalmente Gehenna, o tal “lago de fogo”. Outra invenção, pois Gehenna nada mais é do que um lugar físico, mais precisamente o Vale de Hinon, que era onde os judeus queimavam o lixo, um aterro sanitário(!).

O inferno, segundo os moldes apregoados pelo cristianismo é obviamente de origem grega, mais precisamente de autoria do filósofo Platão, que o descreve em detalhes ao longo de sua obra, na tradição helênica.

Os judeus não acreditam em inferno, no entanto a ideia era bastante difundida. Nos primeiros séculos, após as investidas macedônicas e vivendo sob julgo romano, os judeus experimentavam uma “helenização”.

Devemos amar nossos imigos?

Em Mateus 5:44, tem-se:

Ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.

Uma óbvia menção de Provérbios 19:11:

Sábio é o homem que consegue controlar seu gênio, e sua grandeza está em ser generoso e perdoador com quem o ofende!

Essa parte dito “Novo Mandamento”, convenientemente escanteado,  não tem sequer bases no bom senso. Não seria estranho é nunca ver mesmo cristãos perdoando aqueles que os acometem com pesares ou simplesmente os perdoando?

Fato: Os evangelhos canônicos não se amparam em uma ideia de moralidade própria, quando muito apenas citam termos comuns praticamente advindos dos convívios e acordos sociais humanos, isso quando não são totais perversões.

É comum ouvir dizerem que: “Amar tem a ver com respeito, não com compassividade”. Dando a ideia contorno de “respeitar pessoas, mas não ideias”, quando criticar ideias não implica em desrespeitar, entretanto considerar, exatamente.

Bom, não é o que dizem as escrituras! O termo grego presente nos ‘codex’ mais antigos, como o Sinaiticus, é Ágape, o que podemos entender como o amor divino, essencial, é irrestrito e incondicional, algo inerente e derivado da divindade.

Ágape diverge de Eros, amor sexual, ou Fileo e Storge, amor familiar, algo relacionado a parentesco e casamento. Então o que o texto pede é que amemos nossos inimigos, assim como Deuso faz, perdoando e sujeitando-se a pesar ou sofrimento!

Esse tipo de entrega, detrimento do ser e favor do todo, condição não inerente ao convívio humano, (já que se supõe que ninguém perdoe e aceite tudo o que lhe é perpetrado), é típico de seitas apocalípticas, o que era a cristandade nos primórdios.

 

Trump presidente. E agora?

Passada a última eleição, e tendo em vista toda a campanha para presidência nos EUA (a mais bizarra que já pude acompanhar) acho que boa parte dos críticos do ‘maluco do topete’ não temem exatamente pelo que este tem capacidade de realizar, isso de represálias e boicotes, de cunho racista, nacionalista e conservador, até a ousados empreendimentos na construção civil na fronteira. Não, mas pelo que este não pode.

Creio que muitos não tem ideia de quais são as atribuições de um presidente e até onde se estendem seus poderes, que como é sabido dependem de amplo apoio legislativo (como em toda democracia presidencialista). Tendo em vista sua inexperiência, pouca representatividade e postura política figurativas, até caricatas, a meu ver teremos na verdade anos de um executivo vazio, inexpressivo e sem qualquer relevância nos EUA.